Terça-feira, 1 de Março de 2011

A rotatividade e os objectivos

 

No próximo jogo (½ final da Taça da Liga) não vamos poder contar com Gaitan, que se encontra lesionado. Se a essa ausência, juntar-mos o cansaço dos jogadores mais usados, devido a jogos e viagens consecutivas, de 3 em 3 dias, podemos considerar que não vamos estar a 100% para o encontro, que é uma das oportunidades, efectivas, de ganhar um Troféu. Para agravar a situação, temos logo, passados 3/4 dias, um jogo para o Campeonato e logo a seguir a Liga Europa e assim sucessivamente.

 

Somos a única equipa que ainda está envolvida em todas as competições, o que é uma boa notícia, mas se considerarmos os jogos inerentes a elas e a verdadeira possibilidade de as vencer, reparamos que numa delas, não dependemos apenas de nós, mas de um sortido leque de conjunturas. São 8 pontos (em caso de vencermos por 6-0), que podem ser 9, de distância, para uma equipa de qualidade, que tem por inerência conjuntural protecções institucionais.

 

Se para o próximo encontro temos um substituto de qualidade (Salvio passa para a esquerda e Jara entra para a direita), sem grande perda de profundidade atacante, não podemos menosprezar o facto de haver o risco de perder uma das laterais defensivas, tanto Coentrão (Peixoto está lesionado) mas principalmente Maxi (Ruben lesionado) não têm substitutos directos, tendo JJ de fazer adaptações (ou o risco de meter jogadores adquiridos recentemente, sem a integração completa), caso haja algum impeditivo (lesão ou castigo), para o jogo seguinte.

 

São estas razões, bastante reais, que me levam a reflectir sobre o “nosso papel” no Campeonato. Sei, e sinto-o, que desistir não faz parte deste Glorioso Clube (o último jogo foi um exemplo cabal disso mesmo), mas que fazer?

 

Pois eu sou apologista de dar importância máxima aos Troféus (Liga Europa, Taça de Portugal e Taça da Liga) que dependem apenas de nós e poupar forças no Campeonato. Quando falo em poupar forças, refiro-me à rotatividade do plantel e não em abdicar da competição. Sendo assim, e com o jogo da Liga Europa a 4 dias de distância, para a pedreira os jogadores mais importantes como, Saviola, Aimar, Salvio, Javi, e Coentrão, podiam descansar sendo substituídos por Nuno Gomes, Martins, Jara, Airton e Fernadez (ou Carol), que irão, com certeza, estar à altura do desafio.

 

Tenho ainda na memória o jogo do ano transacto, com o Liverpool, em que a falta de rotatividade resultou na eliminação da equipa na Liga Europa, perfeitamente ao nosso alcance, nessa altura a prioridade era o campeonato.

 

Adorava ganhar o Campeonato (minha preferência, logo a seguir à Champions), mas julgo que, face à conjuntura do futebol no nosso país, será uma perda de tempo e recursos, que nos poderão faltar em objectivos, bem mais, ao nosso alcance.

 

Acredito nesta equipa, mas lamentavelmente, não sinto o mesmo em relação à honestidade, da liderança da liga, da comissão de arbitragem, dos média e de alguns clubes “alinhados” do nosso campeonato.

 

              

tags:
publicado por Tasqueiro às 14:10
link do post | comentar | favorito
|

.Rodadas

contador de visitas
compteur gratuit
contador de visitas

.pesquisa

.Novembro 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30

.posts recentes

. Evolução

. Penoso

. Um bom exemplo

. Para reflexão

. Insatisfatório

.links

.arquivos

.tags

. todas as tags

.mais sobre mim


. ver perfil

. 5 seguidores

blogs SAPO
RSS