Sexta-feira, 20 de Maio de 2016

A Glória em nós

 

Finalizada a competição verifica-se uma vitória do Benfica em toda a linha.

 

Vieira demonstrou que não é uma pessoa que faz um Clube, mas sim o contrário. Um clube inicia-se no seu associativismo (facto fundamental para a sua existência), persiste no compromisso dos seus colaboradores e perpetua-se nas conquistas. Um individuo pode ser importante a determinada altura, mas é na pluralidade que está a sua essência.

 

Vitória provou que o futebol joga-se dentro do campo, sem necessidade de “mind games” ou qualquer outra estratégia equivalente, fora dele. A resposta veio no fim, com o Titulo. Fez ver que a formação é importante e que apostar nela pode ser determinante no sucesso de qualquer grupo. A juventude e a experiência, juntos, ao serviço de um objectivo comum.

 

Rui Costa, com a sua serenidade, expôs ao ridículo o espectáculo degradante daquela gente. Uma época onde tudo foi permitido pelos organismos reguladores.

 

Os Gloriosos Adeptos foram a força motriz de toda esta epopeia. Um esteio.

 

Muito obrigado a todos.

 

 

P.S.: Fica o meu reconhecimento a Rui Vitória. No início não acreditei e fui bastante crítico com a sua vinda. Satisfeito pelo erro.

 

     

publicado por Tasqueiro às 14:59
link do post | comentar | favorito
|

.Rodadas

contador de visitas
compteur gratuit
contador de visitas

.pesquisa

.Abril 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30

.posts recentes

. Empate amargo

. Imprescindível vencer

. Insuficiente

. Jogo (d)e bastidores

. Mentalidade

.links

.arquivos

.tags

. todas as tags

.mais sobre mim

blogs SAPO
RSS