Terça-feira, 11 de Janeiro de 2011

Crónicas de jogo

 

Fazia eu uma breve incursão pelos jornais desportivos na net, quando dou por mim a ler uma composição opinativa, que eles denominam de “crónica do jogo”, sobre o União de Leiria 0 x 3 Benfica.

 

Alem de outras, ficaram na retina estas preciosidades:

 

“…a U. Leiria não quis vencer, nem tentou…”;

 

“A União, sem Silas e Carlão, que rumaram a outras paragens, não teve em Leandro Lima o patrão do meio-campo nem em NGal o substituto do goleador brasileiro.”;

 

“A União limitava a ver o adversário jogar, uma equipa passiva e sem ambição…”

 

Para quem não viu o jogo, ao ler estas linhas, imagina uma partida sem interesse, onde uma equipa não quis jogar, e outra, a que ganhou, não por mérito mas por não ter qualquer tipo de oposição.

 

Como não foi este Leiria que vi, ou pensava ter visto, dirigi-me à parte das estatísticas para comparar números.

 

Chegado ao quadro, deparei-me com os seguintes resultados:

 

Posse de bola muito disputada (49% para 51%), com quase os mesmos toques na bola (579 para 582) e passes concretizados (421 para 437), onde até a percentagem de passes com êxito é praticamente idêntica (70% para 71%).

Os jogadores da União de Leiria cometeram 19 faltas e foram admoestados com 3 cartões amarelos.

Ganham em cantos (6 para 4) e tiveram mais jogadores apanhados em fora-de-jogo (8 para 1).

Só perdem na eficácia de jogo, efectuaram menos remates (4 para 17) que a equipa adversária.

 

Examinados os números, cheguei à conclusão que esta suposta crónica, não é, nem de perto nem de longe, um análise efectiva do jogo.

 

Habituado a estas discrepâncias opinativas, fui à procura da “crónica” referente ao jogo Porto 5 x 1 U.Leiria, para comparação.

 

Na prosa, nem uma menção às ausências de Silas (nem convocado foi) e Carlão (suplente). Apesar da goleada imposta pelo Porto, nem uma referência ao desempenho da União de Leiria, apenas elogios aos vencedores:

 

“Seduz, ataca, tritura e parte para outra.”

 

“A equipa não dá margem a hesitações e a palavra misericórdia também não faz parte do vocabulário azul e branco nesta noite.”

 

“Os leirienses continuavam sem se aperceber muito bem o que lhes estava a acontecer, esmagados pelo rolo compressor”

 

Vejam bem que até o “rolo compressor”, imagem de marca do Benfica campeão, é utilizado para elogiar a equipa andrade.

 

Fiquei desconfiado e fui analisar os números do jogo.

 

Em relação ao jogo com o Benfica, os jogadores da União de Leiria cometeram menos faltas (14), foram admoestados com menos cartões amarelos (2), tiveram menos cantos (5), tocaram muito menos na bola (394) e realizaram menos passes (300).

A diferença reside em mais remates à baliza (8).

 

 

Posto isto, apenas posso concluir que estas crónicas são apenas concepções caprichosas de quem quer forçosamente pregar o seu anseio, seja por recalcamento próprio ou por força de uma deliberação. 

 

                         

publicado por Tasqueiro às 16:35
link do post | comentar | favorito
2 comentários:
De Anónimo a 13 de Janeiro de 2011 às 01:23
Estavas a ler o nojo!
Não é de admirar!

http://forcamagicoslb.blogspot.com/2011/01/rumo-fase-seguinte.html
De Tasqueiro a 14 de Janeiro de 2011 às 12:05
Por acaso até nem foi, as crónicas são da autoria do menos futebol, mas é do mesmo grupo.

Comentar

.Rodadas

contador free

.pesquisa

.Abril 2018

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
13
14
15
17
18
20
21
22
24
25
26
27
28
29
30

.posts recentes

. Inépcia

. Mais empenho e perspicáci...

. Dilema psicológico

. Contas de merceeiro

. Feminino notável

.links

.arquivos

.tags

. todas as tags

.mais sobre mim


. ver perfil

. 5 seguidores

blogs SAPO
RSS